FEDERAÇÃO SIGMA

Federação das sociedades independentes de cyber ciência, tecnologia e engenharia, cybercultistas e tecnocráticas, da América Latina.

Rio Grande: O problema de ter problemas

Rio grande sigma sigmaco www. Sigmaco. Org rio grande, technocracy sigma federation se você quiser colaborar com os esforços humanitários respondendo a calamidade do rio grande, pode contactar a liderança da igreja manancial da graça from porto alegre, samuel felipe. E esperamos que o rio grande se reconstrua e sirva de exemplo, dessa vez, sendo exemplo do que fazer. Mas eu espero sem esperança também, porque... Brasileiros. É... Seria tolice esperar que não se apaixonem pelas ideias do primeiro democrata que cantar um pagode no ouvido deles dizendo que seria interessante ter um "coronel" da defesa civil ou um sub-sub-sub-sub-sub-diretor de alguma coisa para criar cabides para partidários.

Caso você esteja vendo esta publicação e não saiba do que vamos tratar aqui… Nos últimos dias, houve uma série de chuvas torrenciais em um dos territórios ocupados e controlados pelo país Brasil. Este acontecimento provocou uma sucessão de ocasiões de inundações, alagamentos, enxurradas e deslizamentos geológicos que causaram ondas de devastação, destruição e morte.

Agora, a população riograndense enfrenta o problema de ter problemas, o problemas de incompreender problemas e o problema de responder a problemas. Existe um problema nas populações latinas em geral que é o de não se comprometer em fazer o que tem que ser feito quando aquilo nunca se mostrou necessário. Consequentemente, quando algo necessita de funcionar, aquilo simplesmente não funciona, e, para se esquivar da responsabilidade, buscam alguém para culpar quando, de fato, não existem não-culpados.

No dia em que os problemas chegam, neste dia, todos se dão por valer da ideia que todos têm a obrigação de fazer as coisas da forma correta, certa, lógica, funcional, seja lá o que for, sendo que essas coisas não podem funcionar dessa forma porque simplesmente foram feitas para NÃO funcionar assim, com eficiência, lógica e velocidade. E a pior parte é que uma dada realidade se encontra nesta condição justamente porque as pessoas que necessitam de ajuda nunca desejaram que algo funcionasse; foram até mesmos contrárias quando puderam, se fazendo de defensores do modus operandi de certas instituições falidas porque uma ou outra celebridade política estava associada àquela instituição.

Esta publicação tem o interesse em esclarecer quando você não pode exigir qualquer coisa enquanto colaborador de uma realidade e, principalmente, em conscientizar você a ser um colaborador para o estabelecimento de estruturas robustas que funcionem, ainda que você não necessite destas. Espero que você não necessite, mas, caso isto venha a acontecer, que você não dependa do capricho nem da boa vontade nem do palanque oportunístico de alguém para ser assistido.

Quando uma estrutura falha e você nunca teve qualquer interesse real em que ela funcionasse, a culpa é sua. Transferir para os outros não resolverá seu problema, pelo contrário, você está apenas consolidando a ciclicidade de uma ocasião. Uma só pessoa não pode comprometer uma estrutura robusta. Se você pensa que as coisas não estão funcionando porque uma pessoa X está num lugar Y no momento Z, você está terceirizando a responsabilidade que uma estrutura tem de funcionar apesar das pessoas. E este comportamento normalmente ocorre quando as pessoas estão apenas interessadas em ser ajudadas, não em que as estruturas de fato funcionem porque reconhecem, ainda que não digam, que toda a estrutura já está comprometida.

Não existe neutralidade numa situação que já está em andamento. Não decidir é abrir mão de fazer algo contra as coisas vigentes. Ainda que você diga que não aprova elas, você está corroborando com aquilo quando decidiu não fazer algo real. Você fez tudo que podia? É o tipo de pensamento que nos recorre quando passamos por situações difíceis onde reconhecemos negligências. Você fez tudo que podia? Tem certeza? Não me responda. Não quero saber. Posso fazer nada por você agora nem antes. Mas… e você? Podia ter feito algo para ter sido menos pior? Pois então… E você que não está vivenciando isso mas se imagina numa condição similar. Você fez tudo que podia para ter a melhor resposta? Está fazendo agora?

Esta mensagem fica para a população riograndense se conscientizar de onde falharam consigo mesmos, e, principalmente, para as outras populações fazerem o que necessita de ser feito o quanto antes. Se as instituições não funcionam é porque as pessoas não desejaram que funcionassem. Desejar é diferente de querer. Alguém “quis” que NÃO funcionasse e tinha poder suficiente para fazer valer seu simples querer; não foi algo que deu errado. A população não pode só simplesmente querer, necessita de desejar veementemente, para que haja motivo, propulsão interna, para fazer um dia as coisas acontecerem apesar da resistência dos democratas e outros imundos que vivem da imundice da disfuncionalidade estatal.

Se uma instituição não funciona é porque ela está inserida em outra instituição que não funciona, e querer que as pontas funcionem quando não faz sentido é compactuar com o não-funcionamento. Faça sua parte, condene o que não funciona, condene qualquer coisa. Se algo nem sempre existiu e quando existe não funciona, é porque é descartável, seja lá o que for. Se houver muito burocracia inexplicável, condene todo o nível superior àquela instituição.

Eu sou graduado pela Escola De Serviço Público [Do Estado] Do Espírito Santo para enfrentamento de desastres civis e geológicos, e afirmo que todo o aparelho do Estado Do Espírito Santo, que é referência de qualidade para todo o Brasil, está fadado já hoje. E só eu provavelmente estou falando isso porque as pessoas que “quiseram” que fosse assim, vivem da vulnerabilidade desse aparelho. E um dos poderes que essas pessoas têm é de propagar a ideia e convencer pessoas de que esse aparelho realmente é bom. Eles andam por aí convencendo os outros estados a implementar seus defeitos que são um pouco menos piores que os demais do Brasil. É muito fácil dizer que algo é bom quando não é colocado a prova.

Se você quiser colaborar com os esforços humanitários respondendo a calamidade do Rio Grande, pode contactar a liderança da Igreja Manancial Da Graça from Porto Alegre, Samuel Felipe. E esperamos que o Rio Grande se reconstrua e sirva de exemplo, dessa vez, sendo exemplo do que fazer. Mas eu espero sem esperança também, porque… brasileiros. É… Seria tolice esperar que não se apaixonem pelas ideias do primeiro democrata que cantar um pagode no ouvido deles dizendo que seria interessante ter um “coronel” da Defesa Civil ou um sub-sub-sub-sub-sub-diretor de alguma coisa para criar cabides para partidários.

E… Rio De Janeiro… Se prepare, porque mesmo tendo dinheiro, tem a considerada pior estrutura. Não menosprezando os agentes; a estrutura está comprometida. Eles não podem criticar as instituições que lhes empregam porque alguém também quis que não pudessem, então faço isso por eles. Aqui é a SIGMA, palavras duras são esperadas. Quem tanto te fez mal sempre usou palavras bonitas, tem deu cores e símbolos identitários, e disse para você que você ama e idolatra eles, e, em algum momento, você aceitou isso e o descaso é parte do pacote que você sabia mas, agora e só agora, parece não querer.

Request for clarification and/or more informations and resources related to content hereby treated. <[email protected]>

Responses

Auto-translate »